Suicídio


O Velho Testamento da Bíblia nos apresenta dois casos de suicídio legendários.

 

Esses suicídios certamente merecem uma análise mais detalhada, por parte de todos aqueles que sejam estudiosos do Velho Testamento.

 

Queremos evocá-los, nesta oportunidade, para que possamos tirar proveito dessas lições.

 

Um dos casos terríveis de suicídio apresentado no Velho Testamento judaico, na Bíblia, é o suicídio do lendário Sansão.

 

Depois de cego, depois de traído pela esposa Dalila, ele acaba por derrubar as colunas do edifício sob o qual estava e desencarna por suicídio.

 

É o grande primeiro suicídio apresentado no Velho Testamento Bíblico.

 

Logo depois,  encontraremos o suicídio do rei Saul, após ter tido aquele contato com a médium de Endor, conforme nos é narrado num dos livros de Reis, em que ele viu o velho amigo Samuel, ou teve de Samuel informações através dessa sensitiva, dessa médium.

 

Samuel lhe diz que, se ele resolvesse enfrentar os filisteus que estavam com seus exércitos acampados em redor de Israel, dentro de pouco tempo, ele e sua família estariam no Além.

 

E a primeira coisa que fez o rei Saul, foi desatender a proposta do amigo, com o qual ele queria falar; desacatou o exército filisteu e entrou na guerra.

 

Dentro de algum tempo, JônatasAbinadab e Melquisua, seus filhos, tinham sido mortos pelos filisteus. Ele, acompanhado pelo soldado, nos campos destroçados, toma da lança do soldado e destrói a própria vida física, cumprindo aquilo que Samuel lhe havia dito através da senhora de Endor.

 

Temos esses dois suicídios e verificamos que qualquer suicídio é, por si mesmo, muito lamentável.

 

Mas, quando chegamos no Novo Testamento da Bíblia judaica, vamos achar o grande suicídio de Judas Iscariotes.

 

Após haver se enganado profundamente, ao cometer a traição contra o amigo, contra Jesus Cristo, vendendo a informação sobre Ele, por trinta moedas, Judas acaba por enforcar-se e isso estabelece uma nova tragédia no corpo do Velho Testamento Bíblico e do Novo Testamento Bíblico.

 

Desse modo, começamos a pensar no que vem a ser propriamente o suicídio.

 

Sem falarmos nas questões culturais, como haraquiri, no Japão, como a morte dos gonzos do Vietnã, quando punham combustível sobre o corpo, ateavam fogo e morriam na posição de lótus, encontramos suicídio por desesperação.

 

As pessoas desesperadas, amotinadas na sua intimidade, as pessoas descrentes da vida, descrentes da sociedade, descrentes da Humanidade, apelam para esse ato extremo, que é o mais grave ato que alguém comete diante das leis cósmicas, diante das leis da consciência ou se quisermos, diante das Leis de Deus.

 

Por causa disso, há que se avaliar a impropriedade do suicídio. Esse fato que leva as pessoas a suporem que estão fugindo dos problemas, que estão fugindo da vida, provoca-lhes uma frustração sem tamanho. Porque a morte do corpo físico pode nos retirar, e nos retira de fato, do corpo físico, mas não nos retira da essência da vida.

 

Nós, seres espirituais, somos viventes perpétuos. Uma vez que carregamos em nós esse germe do Criador, essa genética do Criador, que é eterno, nós somos imortais.

 

A nossa eternidade recebe o nome de imortalidade, porque nós tivemos começo no amor de Deus.

 

Por que matar-nos se sabemos que a morte de fato, a morte essencial não existe?

 

Matamos o corpo físico que é carnal, composto por células e, dali a pouco, elas se desfazem no quimismo do solo em plena natureza.

 

Jamais conseguiremos, com a prática do suicídio, fugir da vida.

 

A vida essencial é um patrimônio da alma, é um patrimônio do Espírito, por isso nós sairemos dos corpos, mas o suicídio nunca nos retirará da vida.

 

*   *   *

 

Uma vez que ninguém consegue evadir-se da vida, não há nenhum sentido em matar-se.

 

Compreendemos os casos patológicos, as pessoas doentes da cabeça, doentes psiquiátricos, as pessoas em desespero, querendo fugir de si mesmas, mas não tem nenhum sentido. Essa é uma porta falsa.

 

Mas, afinal de contas, estamos falando desse suicídio em que a criatura toma de uma arma de fogo, uma arma branca, toma de uma poção venenosa, ou se atira em algum desvão, que lhe proponha ou que lhe permita ou que lhe facilite o suicídio.

 

Contudo, existem outras considerações sobre o suicídio que poderemos fazer.

 

Porque Freud, Sigmund Freud, ao analisar a questão do suicídio estabelece algo muito interessante para a psicanálise:

 

Toda criatura, diz ele, que é capaz de se suicidar, é capaz de matar.

 

As pessoas, em tese, que se matam, em verdade elas queriam matar alguém. Diante da impossibilidade, por qualquer razão, elas se matam a si para inculpar alguém.

 

É muito comum as pessoas se matarem e deixarem bilhetes, cartas, pondo culpa em terceiro, pondo culpa na sociedade.

 

Desse modo, começamos a perceber que, de fato, o suicida nesses casos, desejaria destruir outras pessoas.

 

Na impossibilidade, ele se autodestrói e culpa essas pessoas, como se desejasse deixar o peso dos seus atos sob a responsabilidade de terceiros.

 

Mas, todas as vezes que pensamos em suicídio, vemos que o suicídio é a queima de nossa energia vital.

 

Sempre que atuarmos de tal forma que queimamos nossa energia vital de maneira indevida, estamos cometendo um ato suicida.

 

Então, é suicida aquele que come demasiadamente, que não come para viver, mas que vive para comer. É um ato suicida porque ele está destroçando energias físicas, energias que deveriam servir-lhe à vida. Ele está patrocinando com elas a morte.

 

São suicidas os tabagistas, por mais inocentes que sejam. Não importa que seja meu filho, minha mãe,  meu pai ou eu mesmo.

 

Se estou ingerindo substâncias químicas, que vão corroendo a minha vitalidade, meu fluido vital, sou um suicida potencial, suicida involuntário, se eu não souber, mas suicida voluntário, se eu souber que aquilo me provoca morte gradativamente.

 

São suicidas os alcoólatras, por mais inocente que seja a bebedeira, mas a continuidade nos leva a queimar as energias vitais.

 

Ninguém estará no inferno ou estará cometendo um pecado por tomar uma taça de vinho, por tomar uma taça de cevada, no entanto, o hábito, a continuidade, isso vai fazendo com que o organismo perca sua tonalidade, perca tônus vital, para dar conta dessa substância indevida que a criatura ingere variadas vezes durante muito tempo.

 

É por causa disso, que temos que pensar na irritação: quantas vezes  mergulhamos nesse pântano da irritação, da cólera. Também é uma atitude suicida.

 

Cada vez que nos iramos, cada vez que entramos nesse circuito da perturbação emocional, queimamos nosso fluido vital, vamos destroçando gradativamente a nossa vitalidade e, obviamente,  esse é um gesto suicida.

 

Quando começamos a maquinar a destruição dos outros, maquinar alguma coisa que eu possa comprometer os outros, maquinar algo em que eu possa infelicitar os outros, não estou fazendo outra coisa senão destruir-me, porque o que faz mal à gente, disse Jesus Cristo, é o que sai da gente, é o que sai da boca da alma, porque ficamos responsáveis por isso.

 

Dessa maneira, nada de pensar em suicídio, nada de adotar posturas suicidas. O mais importante é amar a vida, seja ela como for, seja ela qual for, amar a vida. Agradecer a Deus pela honra de estarmos na Terra.

 

Cometemos um erro, vamos ser submetidos à execração pública?

 

Não há problema. Vamos chorar, vamos sofrer, mas logo mais o sol brilhará outra vez.

 

Estamos devendo dinheiro, altas somas? Não há problema, vamos resolver isto. Daqui a pouco eu trabalho, daqui a pouco eu consigo. Nada de matar-nos.

 

Estamos enfrentando um problema de saúde grave? Nada de matar-nos, porque logo mais, se a morte natural não sobrevier, ficaremos curados e, se ela sobrevier, ficaremos curados em definitivo.

 

Por isto, matar-nos nunca. A morte provocada por nós não nos levará a outro lugar que não seja o conflito consciencial e à necessidade do retorno para o necessário resgate para a reeducação.


Transcrição do Programa Vida e Valores, de número 145, apresentado
por Raul Teixeira, sob coordenação da Federação Espírita do Paraná.
Programa gravado em abril de 2008. Exibido pela NET, Canal 20, Curitiba, no dia 12 de julho de 2009.

Em 28.12.2009.

© Federação Espírita do Paraná - 20/11/2014