As raízes históricas e documentais da fundação da Sociedade Espírita de Paris
Manuscrito muito raro de Allan Kardec revela as origens da
Société Parisienne des Études Spirites, que completou
160 anos de fundação

 Das informações extraídas de uma raríssima Carta manuscrita de Allan Kardec1 – documento kardequiano muito valioso e, até agora, somente publicado num livro2, nos inteiramos como foram os primórdios da fundação da Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas – SPEE, o primeiro Centro Espírita do mundo, fundado em Paris pelo ínclito Allan Kardec, em 1º de abril de 1858, e dirigido pelo próprio Codificador do Espiritismo até a sua desencarnação (31.3.1869). Sociedade que neste ano [2018] completou 160 anos da sua histórica fundação (1858-2018).

Transcrevemos o original francês do citado documento, escrito pelo próprio punho de Kardec, traduzindo para o português a correspondência que faz alusão à Sociedade de Paris, onde destaca-se uma importante informação do preclaro mestre da Codificação, que grifamos:
 
Original francês do raro documento kardequiano

A Monsieur le Préfet de Police de la ville de Paris.

Monsieur le Préfet:

Les membres fondateurs du Cercle Parisienne des Études Spirites qui ont sollicité auprès de vous l’autorisation nécessaire pour se constituer en Société, ont l’honneur de vous prier de vouloir bien leur permettre des réunions préparatoires en attendant l’obtention de l’autorisation régulière.

J’ai l’honneur d’être avec le plus profond respect, Monsieur le Préfet, votre très humble et très obéissant serviteur,

H. L. D. Rivail dit Allan Kardec.
Rue des Martyrs nº 8

 
Tradução do histórico manuscrito

Ao Sr. Prefeito de Polícia da cidade de Paris.

Sr. Prefeito:

Os membros fundadores do Círculo Parisiense de Estudos Espíritas, que solicitaram junto a vós a autorização necessária para constituir-nos em Sociedade, temos a honra de pedir-vos que consintais permitir-nos reuniões preparatórias, enquanto esperamos a autorização regular.

Com o mais profundo respeito, Sr. Prefeito, tenho a honra de ser vosso muito humilde e muito obediente servidor,

H. L. D. Rivail, dito Allan Kardec.
Rua dos Mártires nº 8

 
Comentários e apreciações

Então, note-se o nome provisório, Cercle Parisienne des Études Spirites3, que Kardec dá ao Círculo Espírita antes de constituir-se em Sociedade, Grupo que já se reunia todas as terças-feiras à Rua dos Mártires nº 8 – segundo andar, ao fundo do pátio, residência particular de Rivail em Paris, e cujas reuniões ocorriam desde aproximadamente seis meses antes4 da fundação da Société Parisienne des Études Spirites, que, como dissemos, aconteceu em 1º de abril de 1858.

A partir da transformação do Cercle em Société, esta viria a ter um papel de grande relevância histórica e doutrinária no Movimento Espírita Nacional e Internacional, como sendo a primeira Sociedade Espírita constituída do mundo. Por isso concluímos que todo esse importante Movimento começou com o pioneiro Círculo Parisiense de Estudos Espíritas, núcleo de vanguarda, também coordenado pelo eminente mestre de Lyon.

Outra observação digna de nota é a importante e corajosa identificação que o emérito Professor Hippolyte-Léon-Denizard Rivail faz ao assinar a Carta com o seu ilustre sobrenome e com seu digno pseudônimo respectivamente, Rivail-Kardec, oferecendo certamente o seu aval de pessoa séria e respeitada ante a autoridade municipal, Prefeito de Polícia de Paris, e ante a autoridade nacional, Ministro do Interior: o célebre general X… = Charles-Marie-Esprit Espinasse5, especificamente para a abertura da Sociedade, na qual deveriam dispor por lei de uma autorização legal e oficial para o encontro de um maior número de pessoas das que se reuniam em um Círculo.
 
Contexto social francês do século XIX

Um revolucionário nacionalista italiano, chamado Félix Orsini, perpetrou um atentado em 14 de Janeiro de 1858 contra a vida de Napoleão III que, por pouco, não foi assassinado, sendo Orsini condenado à pena de morte pela guilhotina em 13 de março de 1858, isto é, quase vinte dias antes da fundação da SPEE.6

Esse episódio provocou a sanção da Lei de Segurança Geral, que facultava ao Ministro do Interior a transladar ou exilar a qualquer cidadão francês que fosse reconhecido culpado de conspirar contra a segurança do Estado.7 Era uma lei rigorosa, que não se derrogou senão doze anos depois, em 1870. Os tempos então vividos eram de grande convulsão política.8

França estava sob a recente lei de segurança de 19 de fevereiro de 1858, sancionada por aquele atentado, lei que não permitia a reunião de mais de 20 pessoas em espaço fechado. O estatuto social da SPEE devia ser submetido às autoridades sob este severo regime que, ante as novas ideias, colocariam sua atenção sobre o objeto e os nomes dos seus componentes.
 
Conclusão

A respeito disso, deixemos continuar falando o notável Codificador em Obras Póstumas:

(…) Então, foi necessário obter uma autorização legal, para evitar problemas com as autoridades. O Sr. Dufaux, que conhecia pessoalmente ao Prefeito de Polícia, encarregou-se da petição.

A autorização dependia também do Ministro do Interior, que era o general X…, que, sem que o soubéssemos, simpatizava com nossas ideias, sem conhecê-las completamente;9 graças à sua influência, a autorização pôde ser conseguida em quinze dias, que teria levado três meses se seguisse o trâmite usual. (…)(Tradução nossa do original francês de Œuvres Posthumes, com grifos também nossos, remetendo a essa reveladora informação dada pelo general X… na Revue Spirite de julho de 1859)


Eis a importância e o significado histórico desse raro documento kardequiano. Nossas mais sinceras congratulações ao Conselho Espírita Internacional pela difusão aberta desta valiosa Carta1, que permite compreender mais profundamente a rica História do Espiritismo6 – e do Movimento Espiritista – para esclarecimento integral das gerações atuais e futuras.
 

1.KARDEC, Allan. Manuscrito muito raro de Kardec. Fac-símile do original francês, cedido gentilmente pelo Conselho Espírita Internacional (CEI) no 4º Congresso Espírita Mundial, realizado na França em 2004, de 2 a 5 de outubro. Paris.
2.__________. Revista Espírita: Periódico de Estudios Psicológicos. Ao 1860, p. 505-506, onde encontra-se publicado o fac-símile do raro Documento Kardequiano em forma de Carta. 1ª edição da Federación Espírita Espaola (FEE), edição autorizada pelo CEI. Málaga, Espanha: EDICEI, 2016.
3.BALDOVINO, Enrique Eliseo. Círculo Parisiense de Estudos Espíritas Cartas inéditas de Kardec. Mundo Espírita, Curitiba: FEP, p. 6-7, set. 2005.
4.KARDEC, Allan. Obras Póstumas. Fundação da Sociedade Espírita de Paris, 1º de abril 1858. Tradução de Evandro Noleto Bezerra. pt. 2, p. 382-384, com Notas do tradutor números 18 e 19 (p. 383). Rio de Janeiro, FEB: 2009.
5.IDENTIDADE revelada após 150 anos O general X Artigo inédito e comemorativo de Enrique Eliseo Baldovino, com a identidade revelada do general Charles-Marie-Esprit Espinasse, Ministro do Interior e de Segurança Geral do governo imperial de Napoleão III. Reformador, Brasília: FEB, ano 126, n. 2.149, p. 38 (156)-41(159), abr. 2008.
6.KARDEC, Allan. Revista Espírita: Periódico de Estudios Psicológicos. Ao 1858, com Nota do tradutor nº 150 (Lei de Segurança Geral), p. XLV. Tradução do francês para o espanhol de Enrique Eliseo Baldovino, com Prefácio, em espanhol, do Espírito José María Fernández Colavida, pelo médium Divaldo Pereira Franco. 1ª edição do CEI. Brasília: EDICEI, 2005.
7.FEDERAÇÃO ESPÍRITA DO PARANÁ. Homenagem à Revista Espírita e à Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas. Seminário em português de Enrique Eliseo Baldovino, gravado em DVD e em CD, realizado em 29.11.2008, em Maringá/PR, por ocasião da reunião do Conselho Federativo Estadual da FEP, nas comemorações dos Sesquicentenários da Revue Spirite e da SPEE. Maringá. FEP.
8.REUNIÃO do Conselho Federativo Estadual. Da redação. Mundo Espírita, Curitiba: FEP, p. 8 e 12, jan. 2009.
9.KARDEC, Allan. Revista Espírita: Jornal de Estudos Psicológicos. Ano 1859. Tradução do francês para o português de Evandro Noleto Bezerra. Artigo do mês de julho de 1859, intitulado: Conversas familiares de Além-Túmulo Notícias da guerra: um oficial superior morto em Magenta (Primeira entrevista Sociedade, 10 de junho de 1859), p. 283-287. Brasília, FEB: 2004.
Artigo publicado no Jornal Mundo Espírita, em setembro 2018.
Em 7.10.2019.

© Federação Espírita do Paraná - 20/11/2014