O problema da tentação


Existe uma dificuldade no ser humano, que é necessário parar muitas vezes para refletir a respeito. É a dificuldade das tentações. Afinal de contas, que fenômeno é esse?

 

Quase sempre, na problemática das tentações, fazemos um juízo de nós mesmos, e damos uma má interpretação das coisas, das nossas possibilidades.

 

Às vezes, avaliamos a nossa condição acima do devido, supervalorizamos possibilidades nossas, juramos que não cederemos em determinadas questões, que não cairemos em determinadas circunstâncias, e acabamos por adotar posturas às quais fomos levados pela tentação.

 

Por vezes, temos a tentação de trair, de trair um amigo, de trair a esposa, de trair o marido, de trair uma pessoa que nos é cara. Por que essa tentação nos ocorre?

 

Às vezes, temos a tentação de furtar. Sim, de furtar. E essa tentação se manifesta desde a cleptomania, em que pessoas furtam coisas de lojas, de mercados, até o imposto de renda fraudado. É um furto. Sim, é um furto.

 

Temos a tentação de beber. Começamos com a primeira taça e juramos que ficaremos sóbrios, que daremos conta de dirigir o carro, e juramos...

 

Temos a tentação de experimentar a droga, uma vez só, uma vezinha só, seja  um pó,  uma pedra de craque, uma taça de alcoólico. Uma vezinha só. Não, eu me garanto.

 

É a tentação, alguma coisa que nos impulsiona a fazer algo que não estamos muito certos da nossa capacidade de resistir, não podemos garantir quanto à nossa resistência. Mas fazemos.

 

A temeridade quando tomamos de um veículo, pisamos no acelerador e saímos em disparada: a tentação da velocidade, de bater o próprio recorde. A roleta russa, a roleta mineira, tantas tragédias por causa dessa tentação.

 

A tentação da libido, de procurar, de sondar, de cobiçar alguém que já seja comprometido, exatamente pelo prazer do inusitado. São tentações perigosas.

 

É muito importante verificar que, no mundo em que vivemos, precisamos ter cuidado com esse fenômeno terrível que nos arrasta a situações muito complexas no território da tentação.

 

É muitíssimo importante pensar como Jesus Cristo nos orientou. Em todas as vezes que Se dirigiu ao nosso Pai Celeste, nos ensinou buscar recursos contra a tentação.

 

Na oração dominical, o chamado Pai Nosso, há um momento em que o Mestre nos ensina a rogar ao Pai: Não nos deixes cair na tentação, ou não nos deixes cair em tentação.

 

A proposta viver na Terra é necessária, é indispensável. Viver no mundo nos enriquece. As experiências com nosso próximo, com nosso semelhante, as experiências na relação com as coisas, com os fenômenos naturais, isso tudo nos enriquece, mas é importante que não nos deixemos arrastar pelas tentações.

 

Os Bons Espíritos dizem que não existe um arrastamento irresistível. Se fosse irresistível, ninguém teria culpa de cair sob seu peso. Mas, existem arrastamentos aos quais nos permitimos em nome da tentação, porque sempre fazemos uma má interpretação das nossas possibilidades, temos um juízo indevido das nossas condições e quando vemos, tombamos nesse abismo terrível que se chama tentação.

 

É importante, porém, que neste capítulo, que neste campo, passemos a ter a proposta de Jesus Cristo em mente: oração e vigilância. É importante que se aprenda a orar, fazer essa ponte com o Divino; mas ter vigilância, o cuidado conosco mesmos.

 

Não há razão para orarmos, orarmos, somente orarmos e não prestar atenção nos caminhos por onde estamos trafegando, porque as tentações são perigosas e, a qualquer momento nos podem derrubar.

 

*  *  *

 

Nesse capítulo das tentações, existe algo que não devemos perder de vista. Não podemos dizer que foi o demônio que nos atentou, que Satanás é que nos arrastou.

 

Não temos como dizer que foram as más companhias que nos arrastaram ao mal, que foram os maus colegas, os maus companheiros, como é comum escutarmos nas conversas cotidianas da Humanidade. Atribuímos sempre aos outros o nosso insucesso.Quando são coisas boas, a estrela é nossa.

 

Claro que temos que parar e refletir que, nesse território das tentações, existe algo do que não podemos esquecer, a nossa volição. Sim, a nossa vontade.

 

 Não fazemos nada que não esteja de acordo com a nossa vontade. A tentação exatamente mexe nesse território da vontade.

 

Temos vontade de fazer, embora queiramos depois inculpar a terceiros, jurar que foram as más companhias, mas nós temos vontade.

 

É importante saibamos que, quando temos vontade de fazer determinada coisa, mesmo que essa coisa seja negativa,  acabamos por fazer.

 

Jesus Cristo nos diz: Buscai e achareis, pedi e obtereis, batei e abrir-se-vos-á. Mas Ele não nos diz em que porta deveremos bater. Qualquer porta em que batermos, ela se nos abrirá; qualquer coisa que pedirmos, receberemos; o que buscarmos, acharemos.

 

Se encontrarmos um espinho e sairmos procurando de onde ele veio, não haverá outra solução: vamos nos deparar com o espinheiro.

 

Se acharmos uma flor, um perfume, e sairmos buscando de onde vieram, esbarraremos num jardim, indubitavelmente.

 

E, nessa área é que temos que pensar nas influenciações espirituais negativas, que se aproveitam de nossas brechas morais, de nosso consentimento interior, de nossa vontade, e somam o seu desejo à nossa vontade.

 

Aí entramos na faixa das obsessões, das perturbações espirituais. Há muitas entidades devotadas ao mal, na postura de anti-Cristos e que querem fazer com que  aqueles que estejam no caminho do bem se percam, para deles zombar, para retardar o seu caminho, o seu passo pela vida afora.

 

Cabe recordar o ensinamento de Cristo para que oremos e vigiemos.

 

A vigilância corresponde a este estado de prestar sempre atenção nas consequências do que vamos fazer.

 

Temos liberdade? Temos liberdade. Mas, até onde? Até quando? Com que intensidade? Porque tudo aquilo que semearmos, isso mesmo colheremos. As entidades negativas vão nos provocando a vaidade, o orgulho, a presunção, para nos fazer cair moralmente, para nos fazer tombar espiritualmente. As tentações têm suas raízes na nossa intimidade.

 

Digamos que uma pessoa passe pela porta de um bar, mas não tenha vícios de alcoólicos. O bar para ela será como uma vitrine qualquer de garrafas coloridas. Mas, se ela tiver o vício, qualquer garrafa, qualquer vitrine de bar lhe será uma tentação tremenda, exercerá sobre ela uma grandíssima tentação.

 

Alguém que não seja consumista inveterado pode passar por qualquer loja, pode ver o que for e passará tranquilo,  olhará, tocará e sairá. Contudo, para quem tem essa compulsão interior para gastar, qualquer coisa será motivo para gastar.

 

Logo, a tentação não está do lado de fora, a tentação está dentro de nós. A tentação reside em nós. É aquela bagagem ainda não doutrinada, ainda não disciplinada, é aquela situação ainda não arranjada devidamente em nossa intimidade.

 

Isso provoca em nós uma instigação. O alcoólatra se sente atraído, atentado para o álcool. O gastrônomo se vê atentado pela comida e se torna glutão, e a glutonaria é um campo aberto para entidades viciosas explorarem a capacidade do indivíduo, até que ele adoeça, até que ele passe mal, até que se perca.

 

Para quem carrega em si a tormenta sexólatra, para quem aprendeu a desrespeitar a sexualidade, homens, mulheres, crianças, velhos, cadáveres, tudo entra no campo da sua tentação sexual, porque ele carrega em si essa matriz negativa.

 

Para quem aprendeu a se disciplinar, a se respeitar, a ver, por exemplo, a sexualidade como algo nobre e digno, sabe respeitar a esposa dos outros, o marido das outras, o namorado das outras, sabe respeitar os corpos alheios porque respeita o seu próprio.

 

A tentação tem esse componente terrível existindo dentro de nós, coabitando conosco, vivendo em nossa intimidade.

 

É por essa razão que, em cada momento de nossas existências, apelando para o ensinamento de Jesus de Nazaré, estaremos sim, fazendo as nossas preces, seja qual for a nossa crença, fazendo nossa elevação de pensamento, se assim preferirmos, mas sem deixar de vigiar os nossos passos, para onde estão indo nossos pensamentos e como estamos desenvolvendo os nossos atos.


Transcrição do Programa Vida e Valores, de número 111, apresentado por
Raul Teixeira, sob coordenação da Federação Espírita do Paraná.
Programa gravado em outubro de 2007. Exibido pela NET,
Canal 20, Curitiba, no dia 5 de abril de 2009.

Em 16.07.2009.

© Federação Espírita do Paraná - 20/11/2014